sábado, 3 de maio de 2014

O que é a bíblia? Parte 8. “Apredejadores e Adúlteros” ou seria melhor “Hipócritas e Libertinos”? Ou talvez ainda “Baderneiros e Liberais”? ou quem sabe “Liberais e Promíscuos? (para um título original “Stoners and Swingers”)*


Série de reflexões sobre a Bíblia, escrita e publicada originalmente em inglês, no tumblr, pelo próprio autor Rob Bell e sua equipe. (http://robbellcom.tumblr.com/post/66107373947/what-is-the-bible).
Transcrito e adaptado para português por Marcus Vinicius Epprecht com autorização do autor. Proibida a reprodução para fins comerciais ou qualquer forma de ganho sobre este texto sem a autorização expressa do autor e do tradutor.
Revisado por Felipe Epprecht Douverny e Fernanda Votta Epprecht.
Publicado em português simultaneamente nos seguintes endereços:



Parte 8. “Apredejadores e Adúlteros” ou seria melhor “Hipócritas e Libertinos”? Ou talvez ainda “Baderneiros e Liberais”? ou quem sabe “Liberais e Promíscuos? (para um título original “Stoners and Swingers”)*


Nós temos olhado para uma série de histórias das escrituras hebraicas,
até agora,
histórias que eu queria que você visse sob uma nova luz.

Agora, vamos olhar para uma história dos evangelhos sobre Jesus e, depois disso,
vamos aos poucos começar a identificar o fio que liga todas elas.

Assim.

Apredejadores e Adúlteros ou seria melhor “Hipócritas e Libertinos” ou talvez ainda “Baderneiros e Liberais” (para um título original “Stoners and Swingers”) (Um bom título é meio caminho andado, não é? ) Uma mulher é pega no meio da transa, a polícia religiosa a traz, mas não o cara, para dentro da área do templo e eles fazem com que ela fique perante o grupo que está tentando fazer Jesus cair na armadilha, dizendo que ela deveria ser apedrejada, SEGUNDO A LEI (não tenho idéia de porque eu DEIXEI ISSO EM MAIÚSCULO). Jesus, no entanto, se abaixa e escreve no chão (Um exemplo clássico de o que é que Jesus está fazendo? Junto com esfregar lama nos olhos e sua primeira fala pós-ressurreição: Ei, vocês têm comida?). Ele então diz

qualquer um de vós que estiver sem pecado seja o primeiro a atirar uma pedra contra ela,

ele escreve um pouco mais no chão, os homens começam a sair até que ficam apenas Jesus e a mulher, ele pergunta a ela se alguém a condena, ela diz que não, ele diz a ela que ele também não, e que ela deve deixar sua vida de pecado.

Fim da história.

Então, o que ele estava escrevendo no chão?

Preparado? Porque isso vai levar algum tempo. Essa história sobre a mulher e a multidão que quer apedrejá-la encontra-se no início do Evangelho de João, capítulo 8 (mas não nos manuscritos mais antigos. Hummm). Se você volta até o capítulo anterior, o capítulo 7, você lerá que era a época da Festa dos Tabernáculos.

A Festa dos Tabernáculos era uma das sete principais festas do calendário hebraico. (Veja Levítico 23 para uma visão mais ou menos concisa). Havia festas de primavera e de outono, organizadas em torno dos ciclos agrícolas de plantio e colheita. (Festas eram comuns no mundo antigo em sociedades agrícolas, onde pessoas separavam determinados momentos para agradecer aos deuses e pedir a eles que a generosidade continuasse).
As Festas da Primavera eram:
Páscoa, depois,
Pães Ázimos, depois,
Primícias , depois,
Pentecostes.

As Festas de Outono eram
Trombetas, depois,
Expiação, depois
Tabernáculos.

Nota de tradução: os nomes das festas estão traduzidos literalmente. Conhecemos as mesmas como Pessach , Matzot, HaBikurin e Shavuot, como festas de primavera e Rosh Hashanah, Yom Kippur, Sucot como festas de outono.

A Festa dos Tabernáculos, era a última festa do ano, e a última das festas de outono. Como a última das festas de outono, era a festa antes do inverno, quando esperavam que as chuvas viessem regar as culturas e assim elas crescessem, para que na primavera houvesse uma colheita e algo para comemorar e dar graças nas festas de primavera. Milhares de peregrinos no primeiro século vinham a Jerusalém para os oito dias de festa, permanecendo em abrigos improvisados (tendas) (sukkots em hebraico) que representavam como o Deus deles cuidara de seu povo muitos anos antes, quando eles tinham peregrinado pelo deserto
(Essa história é contada no Livro do Êxodo). Durante os oito dias havia sacrifícios e cânticos e rituais especiais, orientados em torno de pedir a Deus para trazer as chuvas de inverno para que eles tivessem comida na primavera. Os líderes religiosos ensinavam durante estes oito dias sobre o significado da água: água em forma de chuva, a água e a sede, sede como uma metáfora para o anseio espiritual. Muitos ensinamentos sobre a água. Durante os oito dias todos ensinamentos eram elaborados visando o último dia,
quando o sumo sacerdote virava uma jarra de água e um jarro de vinho despejando-os juntos sobre o altar, enquanto a multidão gritava

Hosannah! Hosannah!

Hosannah significa: que Deus nos salve, ou Deus, por favor, traga-nos as chuvas de inverno para nos salvar da seca e da fome. (Mais tarde Hosannah começou a ter conotações políticas, como Deus, livrai-nos dos romanos que invadiram a nossa terra !)

Com isso em mente, observe esta linha do capítulo 7:

No último e maior dia do Festival, Jesus levantou-se e disse em alta voz:

Por que ele está falando em voz alta? Porque é o último dia e a multidão estava cantando em voz alta.
Ele quer ser ouvido acima do barulho da multidão reunida.
E o que ele disse em voz alta?

Se alguém tem sede, venha a mim e beba.

Boom! Ele escolhe este momento, um momento em que as pessoas estavam concentradas em suas necessidades reais e físicas de água, e chama atenção para a sua sede espiritual, sede, ele insiste, a respeito da qual ele pode fazer algo. (É por isso que, no início do capítulo, ele diz a seus irmãos para irem ao Festival e fica para trás, dizendo-lhes que ainda não era o tempo certo. Ele está esperando o último dia para fazer o seu discurso tendo como pano de fundo o ritual do sacerdote de derramar o vinho e a água e a multidão cantando sobre sua necessidade de um salvador? Brilhante. Simplesmente brilhante. A teatralidade por si só é fantástica).

Milhares de pessoas, festejando e bebendo e vivendo em abrigos improvisados na encosta da colina em Jerusalém. Basicamente, acampamento religioso. Com um monte de vinho envolvido.
E o que muitas vezes acontece quando muitas pessoas bebem e acampam juntas?

Você pode ver como duas pessoas podem acabar na tenda errada – arrependendo-se das decisões que tomaram na noite anterior? Não é surpreendente, então, que na manhã seguinte, os mestres da lei e os fariseus arrastem para os pátios do templo uma mulher que eles haviam capturado com um homem que não era seu marido...

Pela manhã, eles arrastam esta mulher até Jesus porque querem pegá-lo numa armadilha. Eles não acreditam nele, eles o rejeitam, eles querem expô-lo como uma fraude. E assim eles o desafiam com uma passagem da lei.

E então ele se abaixa e escreve no chão.
E o que ele escreve?

Bem, o que os fariseus e mestres da lei vinham fazendo nos últimos oito dias?
Eles estavam na festa.
E o que eles vinham fazendo na festa?
Eles estavam ensinando, certo?
E o que estavam ensinando?
Eles estavam ensinando sobre a água.
Que passagens teriam sido ensinadas?
Interessante você perguntar. Uma das passagens que era ensinada na Festa dos Tabernáculos é do profeta Jeremias. A passagem trata de poeira, que é o que você tem se você não tem água. Aqui estão algumas linhas:

SENHOR, tu és a esperança de Israel;
todos os que te abandonam serão envergonhados.
Aqueles que se afastam de Ti serão escritos no pó …

Então, o que Jesus faz?

Ele pega uma das passagens com a qual todos estavam familiarizados e vira essa passagem contra eles, tudo sem dizer uma palavra. Aqui está a água viva, no meio deles, convidando-os a confiar nele, mas eles não acreditam nele. Eles tentam fazê-lo cair em armadilhas. Eles ensinam a respeito de Deus e de água e de esperança e de vida nova, mas quando ela chega no meio deles através de uma pessoa, que eles não estavam esperando, eles não conseguem. Agarram-se ao que é familiar, rejeitando a água viva que está na frente deles.

O que Jesus escreveu no chão?
Seus nomes.



* Nota de tradução: As várias opções a respeito do título surgiram em função de uma forte discussão entre o tradutor e os revisores, pois o texto é bastante provocativo e uma tradução literal seria insuficiente. E não chegamos a um consenso, portanto você pode opinar e adotar o que você acha melhor condizente com o texto. Assim também podemos perceber que a “letra” em si, o escrito, o registro editado não é capaz de expressar a verdadeira intenção contida na situação que esse registro descreve....

Nenhum comentário:

Postar um comentário