domingo, 23 de março de 2014

O que é a bíblia? Parte 6. Filho (por Rob Bell)



Série de reflexões sobre a Bíblia, escrita e publicada originalmente em inglês, no tumblr, pelo próprio autor Rob Bell e sua equipe. (http://robbellcom.tumblr.com/post/66107373947/what-is-the-bible).
Transcrito e adaptado para portugues por Marcus Vinicius Epprecht com autorização do autor. Proibida a reprodução para fins comerciais ou qualquer forma de ganho sobre este texto sem a autorização expressa do autor e do tradutor.
Revisado por Felipe Epprecht Douverny e Fernanda Votta Epprecht.
Publicado em português simultaneamente nos seguintes endereços:




       Parte 6. Filho



Então Deus disse : "Toma teu filho, teu único filho, a quem você ama – Isaque- e vá para a região de Moriá. Sacrifique-o ali ... "
Gênesis 22.

Esta passagem é um exemplo clássico do tipo de história que encontramos na Bíblia e que faz com que muitas pessoas perguntem o que uma história como esta, sobre um homem chamado Abraão, e possivelmente seu filho, tem a nos ensinar? E, para ser mais específico: Que tipo de Deus pediria a um homem para sacrificar seu filho?

Essa é a questão, não é? Estou escrevendo esta seção porque há uma resposta. Uma resposta inequívoca, clara, preto no branco, para essa pergunta, aqui nesta história.

Para chegar a essa resposta, precisaremos primeiro gastar um pouco de tempo com a história da religião, então vamos observar alguns detalhes da história, e depois nós vamos responder à pergunta.

A história da religião, então, em um parágrafo: Os primeiros humanos chegaram à conclusão de que a sua sobrevivência como espécie era dependente de coisas como comida e água. E para alimentar e crescer eles precisavam de sol e água na proporção adequada. Muita água e as coisas ficam lavadas, sem o suficiente e as plantas morrem. Muito sol e as plantas murcham , sem o suficiente e elas morrem também.
Essas observações básicas levaram as pessoas à conclusão de que, para sua sobrevivência, elas eram dependentes de forças invisíveis que não podiam controlar. (O que foi realmente um salto monumental naquela época ... ) Surgiu então a crença (eu uso essa palavra deliberadamente) de que essas forças ou estão do seu lado ou não estão. E como é que você mantém estas forças do seu lado? A próxima vez que você tiver uma colheita, você pega uma parte da colheita e a oferece em um altar como um sinal de sua gratidão. Porque você precisa das forças ( deuses e deusas ) do seu lado. Agora imagine o que acontecia quando as pessoas ofereciam um sacrifício, mas depois não chovia ou o sol não brilhava ou seus animais ficavam cheios de doenças e ainda eram incapazes de procriar, obviamente, eles concluíam, nós não oferecemos ... diga comigo agora ... O SUFICIENTE. E assim eles ofereceram mais. E mais e mais. Porque o que a religião introduziu desde o início foi uma coisa chamada ansiedade. Você nunca sabia como você estava com os deuses. Os deuses estão zangados, os deuses são exigentes, e se você não agradá-los
eles vão puni-lo, trazendo calamidade. Mas e se as coisas correrem bem? E se chover a quantidade certa
e o sol brilhar exatamente o suficiente parece que os deuses estão satisfeitos com você? Bem, então, você precisa oferecer-lhes gratidão. Mas como é que você sabe se você mostrou adequadamente quão grato você estava? Como você sabe se você ofereceu o BASTANTE? Se tudo correu bem, você não sabe se foi grato e se ofereceu o suficiente, e se as coisas não foram bem é evidente que você não fez ... o suficiente.
Ansiedade de qualquer maneira. (É por isso que o livro de Levítico é tão revolucionário - vamos chegar a isso mais tarde ... ). Agora, fique comigo aqui, porque este é o lugar onde as coisas ficam problemáticas: Se as coisas correram bem ou não, a resposta foi sempre: sacrifique mais. Dê mais. Ofereça mais. Porque você nunca sabia como você estava com os deuses. E assim você oferece parte de sua colheita. E você oferece uma cabra. Talvez um cordeiro. Talvez uma vaca. Talvez algumas vacas. Talvez algumas aves.
A própria natureza da religião primitiva (primitiva? E hoje não? Mais sobre isso daqui a pouco ..) é que tudo é amplificado porque em sua ansiedade para agradar os deuses você sempre tem que oferecer mais. E o que é a coisa mais valiosa que você pode oferecer aos deuses para lhes mostrar o quão sério você estava falando quando pediu para ganhar seu favor? Uma criança. Claro. Você pode ver como o sacrifício de crianças está sempre presente no Velho Testamento? É onde a religião leva você. Ao lugar onde você iria oferecer o que é mais valioso para você.

Agora, à história de Abraão.

Quando Deus diz a Abraão que ofereça seu filho, Abraão não fica chocado,

porque cedo na manhã seguinte, levanta-se e carregando o seu jumento

Abraão vai direto para isso. Ele não discute, ele não protesta, ele não arrasta seus pés. Ele sabe claramente o que fazer e assim ele o faz.

Claro. Era assim que Abraão entendia como a religião funcionava. Os deuses exigiam que o que era mais valioso para você. E se você não desse, você pagava o preço. Assim era o mundo naquela época. (Terrível!, eu sei.)

Então Abraão parte,

e alcança o lugar no terceiro dia.

Assim, durante três dias, ele e seu filho viajam, três dias em que seu filho é um quase morto. (Hmmmmm.. ).

Quando chega à montanha, o que Abraão diz aos servos? (Vamos lá, você sabe disso !) (Na verdade, eu também não saberia se não tivesse lido.)

Ele diz a eles:
Fiquem aqui com o jumento enquanto eu e o menino vamos até lá. Vamos adorar e depois vamos voltar para vocês.

O que .....? Abraão vai oferecer seu filho, certo? É sobre isso a história, certo? Deus diz a Abraão que ofereça seu filho e assim ele o faz, ou pelo menos prova que faria isso - esse é o ponto, não é?

Mas o que Abraão disse aos servos é que ele está indo para ir oferecer seu filho para depois voltar com o filho. (Todas as luzes no painel de instrumentos devem estar piscando agora. Há alguma coisa acontecendo nesta história. Bem abaixo da superfície. A história está subvertendo a si mesma, implorando para que você veja algo muito mais significativo acontecendo.)

Enquanto caminham até a montanha Isaque pergunta a Abraão, de onde o sacrifício virá - isso é tão mórbido, não é? Porque no padrão de leitura da história ele está indo para a sua morte, porque seu pai ama tanto a Deus. (Por favor, me diga que você não considera isso absolutamente repulsivo. Lembro-me de um pregador bem conhecido me dizendo que quando seu filho era um adolescente, levou-o a uma colina e leu esta história e, em seguida, o pregador disse-lhe que sempre amaria a Deus mais do que a ele. Ele me contou a história como se fosse uma coisa admirável que ele fez para ensinar seu filho sobre a devoção a Deus. Eu queria vomitar.) Mas já vimos Abraão acenar com o chapéu para algo superior. Portanto, não estamos indo por esse ângulo.

A resposta de Abraão? Deus mesmo proverá.

Inteligente. É uma resposta não-resposta. Abraão entrou no jogo. Ou seja lá como você quer chamar isso.

E então Abraão se prepara para oferecer seu filho, mas ele não o faz porque Deus pede para ele parar e,
em seguida, ele oferece um carneiro em seu lugar. Fim da história.

Só que não é.
Um anjo aparece e diz que Abraão vai ser abençoado e através de sua descendência todas as nações da terra serão abençoadas ...

Então, de volta à nossa pergunta original: Que tipo de Deus iria pedir a um homem para sacrificar seu filho?

Agora, uma resposta: Não este.

Os outros deuses podem exigir o seu primogênito, mas não este Deus.

Portanto, se Deus não quer que Abraão ofereça seu filho, por que a charada?

Várias respostas:

Em primeiro lugar, o drama é o ponto. Abraão sabe o que fazer quando ele disse para oferecer seu filho,
porque este é sempre o ponto onde a religião chega. Assim, num primeiro momento, esse deus parece ser como todos os outros deuses. A história é como as outras histórias sobre deuses que nunca estão satisfeitos. A primeira audiência desta história teria ouvido isso antes, teria sido familiar. Mas, então, não é.
A história toma um rumo chocante que vem do nada. Este Deus perturba a familiaridade da história, interrompendo o sacrifício. Imagine uma audiência no início ofegante. O quê? Este Deus parou o sacrifício? Hã? Os deuses não fazem isso!

Em segundo lugar, o Deus dessa história provê!. Adoração e sacrifício era sobre você dar aos deuses.
Esta história é sobre esse Deus dando a Abraão. Um Deus que dá? Que provê?

Em terceiro lugar, esta não é uma história sobre o que Abraão faz para Deus, é uma história sobre o que Deus faz por Abraão. Incrível. Novo. Extraordinário. Uma história sobre um deus que não exige nada,
mas dá e abençoa.

Em quarto lugar, a Abraão é dito que Deus está apenas começando, e que esse Deus vai abençoar Abraão com tanto amor e favor que através de Abraão todos na terra vão ser abençoados. Este Deus não está furioso e demandando sacrifícios, este Deus tem a intenção de abençoar a todos. Abraão é convidado a confiar. A ter fé. Acreditar. Para viver em tais promessas.

Você pode ver quantas ideias inovadoras estão nesta história? Você pode ver por que as pessoas contaram essa história? Você pode ver por que ela perdurou? Você pode pensar em quaisquer outras histórias
sobre um filho que esteve como morto por três dias, mas depois viveu de tal forma que a história sobre ele
confrontou a sabedoria convencional do seu tempo, segundo a qual os deuses estão zangados e exigentes,
com a insistência de que Deus abençoa e dá e dá e tudo o que resta a fazer é confiar que Deus é realmente assim?

Portanto, eis aí um pouco sobre as inundações e os peixes e as torres e os filhos. E pensar que estamos apenas começando …



Nenhum comentário:

Postar um comentário